Siga nas redes

Findect inicia batalha para garantir direitos da categoria

Publicado em 06/07/2020

Fonte:


Federação exige diálogo e respeito com os trabalhadores e não oportunismo da direção da empresa diante das dificuldades impostas pela pandemia para a categoria organizar a luta e defender seus direitos e reivindicações.

Na manhã dessa segunda-feira, 06/07, foi realizada a primeira reunião de mediação no TST, após a FINDECT ingressar com o pedido de Mediação Pré-Processual (PMPP) no Tribunal, tendo em vista a gravidade da pandemia e a inviabilidade da negociação direta com a direção da ECT.

A reunião de mediação foi conduzida pelo Juiz Auxiliar da Vice-presidência Giovanni Olsson e contou com a participação dos dirigentes da FINDECT Gandara, Diviza, Márcio e Douglas, representantes da FENTECT e da Adcap e dos advogados das entidades.

Preocupações

As representações expressaram sua preocupação com a insegurança jurídica causada aos trabalhadores após liminar do STf, que alterou o dissidio coletivo julgado pelo tribunal no ano passado.

Na reunião também foi ressaltado o fato de que, diante de uma grave crise sanitária e econômica ocasionado pelo novo coronavírus, as entidades defendem união para resistir aos ataques e que o TST intervenha para que todos os direitos da categoria sejam garantidos por 24 meses, até agosto de 2021.

Irresponsabilidade e falta de diálogo

Mesmo diante de vários expedientes encaminhados pelas federações aos Correios, a direção da empresa se nega a responder, age com descaso, sem se importar com a vida dos trabalhadores e não estabelece um canal de diálogo.

Também não coloca, para responder às solicitações, pessoas que tenham poder de decisão, piorando a irresponsabilidade e o desrespeito com os trabalhadores que significa chamar uma negociação em meio a uma pandemia.

Validade

Foi levantado na reunião que uma prorrogação do atual acordo até o término da pandemia poderia ser uma proposta, mas o juiz do TST alertou dos perigos de protelar uma nova negociação, pois sua validade ainda está em aberto e pode ser que daqui há um ano o entendimento seja de que o dissidio era válido mesmo por 12 meses.

O advogado da FINDECT, Dr. Hudson Marcelo, interveio e disse que essa insegurança também é para a empresa, já que essa decisão foi proferida pelo próprio órgão competente a julgamento.

O TST também alertou para o fato de que, junto com a pandemia, tem a negociação e o processo de privatização que está em curso, o que aumenta o volume de trabalho e a dificuldade em ter um acordo.

O TST informou que o PMPP terá caráter sigiloso, assim como as outras negociações que ocorreram durante a pandemia para poder resguardar o direito de confiabilidade.

Compartilhe agora com seus amigos